Epitáfio: nossa civilização

Academia Virtual de Letras António Aleixo 

Patrono: Frei José de Santa Rita Durão

Acadêmico: Mauricio Duarte

Cadeira: 39

Acadêmico Vitalício





Epitáfio: nossa civilização

Experiência desses mortos-vivos todos,
nosso homem contemporâneo estrebucha,
é preso entre o niilismo e a desesperança,
é um ébrio de fantasias degradadas...

Dejeto químico da humanidade,
essa ferrugem corrói, sim, inclemente,
a tal honestidade que ainda restava
nas consciências ou o que se dizia como isto...

Destroços de uma estrutura muito gasta,
cuja força é agora só uma maior tibieza,
aquela que não é resignação, não,
mas também não é positiva, ao contrário...

Exaltação dos penduricalhos do amor,
esse amor que é puro egoísmo, que não chega.
Nunca chega, não é nem hedonismo não.
Epitáfio: nossa civilização...

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

Imagem: Peça de arte de Mauricio Duarte - disponível para venda . Desesperança . nanquim s/ papel . 42 x 29,7 cm . 2019

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEU BOTÃO DE AZALEIA . Poesia . Júnio Liberato

NOSSOS CONTATOS

ARTE-ENLEVO . Abordagem de Análise Estética e Filosófica . Mauricio Duarte